Facebook não irá remover anúncios políticos que contenham informações falsas

Mark Zuckerberg em conferencia do Facebook em 2018 (Crédito: Anthony Quintano/Flickr)

Por Daiane Tadeu

Na última semana do mês de agosto, a rede social Facebook eliminou silenciosamente uma política que proíbe alegações falsas em publicidades políticas. A mudança afetará o funcionamento da rede no mundo todo.

Apesar de ter uma regra que proíbe conteúdo falso ou enganoso em anúncios publicitários, a empresa estreitou a sua aplicação, proibindo apenas anúncios que “incluam afirmações desmascaradas por grupos de checagem de fatos ou, em certas circunstâncias, declarações desmascaradas por organizações com conhecimentos específicos”. As mudanças foram apuradas em uma reportagem do jornal britânico The Guardian.  

Em seu programa de verificação de fatos, o Facebook convida organizações independentes, como o Full Fact do Reino Unido, a verificar afirmações postadas na rede social. Mas os grupos, compostos principalmente por pequenas instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos, estão fortemente limitados, conseguindo chegar apenas nas publicações virais.

Segundo a rede social, apenas políticos que  atualmente possuem cargos, candidatos e partidos políticos estão isentos da remoção. Outros anúncios políticos ainda precisam ser verdadeiros. 

No entanto, mais uma mudança poderá favorecer as campanhas, já que, artigos de opinião e sátiras se tornaram inelegíveis para a verificação. Incluindo qualquer site ou página “com o objetivo principal de expressar uma opinião ou agenda de figuras políticas”.

O resultado final é que qualquer declaração direta de um candidato ou campanha não pode ser verificada e, portanto, é automaticamente isenta de políticas projetadas para evitar informações erradas. 

De acordo com a declaração de um porta-voz do Facebook, ao jornal The Guardian, “não acreditamos que seja um papel apropriado para nós arbitrar debates políticos. Também não pensamos que seria apropriado impedir que o discurso de um político alcance seu público e seja sujeito a debate e escrutínio público”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *